PEÇA TEATRAL PARA SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

Vamos participar?!!!!!!!
Veja o roteiro a seguir da peça teatral criada pelo professor Luis Antonio Modesto e acaso se interessar procure-o no período noturno para montar um grupo de teatro que se apresentará na semana da consciência negra.
Participe!

Título da Peça: Experiência de Vida

1º Ato : Indo à festa

Antonio (Loiro), Massao (Nissei) e Aninha (branca) estão se dirigindo empolgados para uma festa de aniversário do bisavô de Cláudia (Negra) com embrulhos nas mãos, onde dialogam:

Massao: “Toninho! Vamos para a festa do bisavô de Cláudia!” – diz andando em direção ao Antonio.

Antonio: “Eu já estava pensando em ir te chamar!” – diz sorrindo.

Massao: “Afinal, não é sempre que se apagam 112 velinhas de aniversário num único bolo, não é?!!!”

Antônio: “É mesmo! Ele é a pessoa mais idosa que eu conheço até agora.” – e seguem…

Aninha: “E é por isso que merece todo o nosso respeito e admiração”.

As crianças começam a andar, dando voltas no palco, alegres, brincando, até que numa das voltas encontram Cláudia no portão.

Cláudia: “Oi turma! Estava esperando vocês para começar a festa. Entrem”.

2º Ato: Na Festa

Seo Francisco, o aniversariante (negro), bem como outros idosos: Sr. João, Sr. José, D. Maria (esposa do Seo Francisco) e D. Cecília, estão sentados em cadeiras. Ao lado está a mesa com bolo decorado, copos e refrigerante. Seo Francisco está no centro, usando um cobertor sobre as suas pernas trêmulas. O seu rosto é cansado. A outra metade do palco fica reservado para encenações durante a contação de estórias de Seo Francisco. Chegam então as crianças, quebrando a monotonia do local…

Crianças: “Feliz Aniversário Seu Francisco” – entram pulando, alegres, abraçam Seo Francisco e entregam os embrulhos.

Seo Francisco: “É muito bom recebê e abraçá pessoas de outras raças qui nem vosmicêis”.

Antonio: – espantado pergunta: “Como assim, Sr. Francisco???”

Seo Francisco: “ Nem sempre foi anssim, meu fio, aliais, até poço tempo atrais num era anssim não sinhô.”

Crianças exclamam, espantadas: “Não???!!!!!”

Seo Francisco: “Vocês querem ouvi um poço da estória pelas palavra de um veio que teve lá? Sentem-se !!!”

As crianças se acomodam no chão ao redor do Seo Francisco.

Seo Francisco: “Antigamente as coisa era pur dimais deferentes meus fios. Os negos como eu eram tratado como uma coisa, não como ser humano”.

Cláudia: “E só porque meu biza veio da África” – exclama.

Massao: “África, que legal, meu avô veio do Japão…” – comenta entusiasmado…

Seo Francisco: “Sim meus fios. Uma terra linda. Na minha tribo nóis ficava livre, integrado Ca natureza…”

Massao: “Meu avô veio para o Brasil porque recebeu um convite para trabalhar em lavouras de café, no interior. E o senhor? Parece que gostava tanto da África, como veio parar no Brasil?”

Seo Francisco: “Num foi pur quere não meu fio. Ainda mi lembro, como se fosse onte:
Me despedi de minha mãe e saí para caçar. Depois de andar umas boas léguas atrás de um cervo me vi cercado por um bando de pirata portugueis que me capturaram, acorrentaro e jogaro num barco. Fiquei dias sem comê e com pouca água. Muitos outro morrerã de fome, inté que chegamo a desembarcá na Bahia de São Salvadô. “

Aninha: “O senhor disse que gostava de caçar… Nos livros dizem que os africanos caçam nus, meu Deus, isso é verdade?”

Seo Francisco: “Infelizmente essa é a image que a maioria das pessoa tem da África – Gesticula com as mãos – um monte de nego correndo nu, mas na verdade num é isso não. A África antes de ser colônia Inglesa era composta de vários Estados, Reinos e Até mesmo Impérios…” – pausa – Isso quer dizer, que lá existia organização social e política, território definido, costumes, crenças… Numa caçada em campo aberto, se voismicê usasse uma roupa pesada e calorosa, ia suá muito e espantá os bicho. Anssim, nois usava o mínimo para ficar confortável e ao mesmo tempo não perdê a mobilidade. Agora imagina ocê se um leão faminto pega a trilha do seu suó.” – Enfatiza e gesticula.

Aninha: “Não entendi uma coisa seu Francisco!” – Diz pensativa.

Seo Francisco: “Que foi Fia?”

Aninha: “Com quantos anos o senhor chegou no Brasil?”

Seo Francisco: “Com quatorze”

Aminha: “Mas a lei áurea não tinha sido assinada? Como o senhor foi capturado e vendido como escravo?”

Seo Francisco: “É minha fia, …., como sempre, a lei muitas veis é linda no paper, mais na prática… os poderosos senhores de terra sempre dão um jeitinho…, inte hoje, num é?
A lei áurea foi assinada em 13 de maio de 1888, eu cheguei aqui em 1902 e fui escravo. Os nego e os imigrante trabaiava na sua maioria em lavora de cana di açuca, nas mina e nas fazenda de café.”
Massao: “Então quer dizer que desde o Brasil colonial até o início do Brasil República exploraram os negros para engrandecer o país?”

Seo Francisco: “Exatamente, os nego que sofreru mais. O Brasil foi construído por mão escrava.”

Antonio: “Mas então, sem o trabalho dos negros e dos imigrantes o Brasil de hoje não existiria ?”

Seo Francisco: “É o que parece Toinzinho… inclusive arguns politicu da épuca dizia isso, sabia? E eram perseguido quinem nois.”

Aninha: “E como era ser escravo? O senhor ficava muito no cantinho do castigo que nem a Nanny da Televisão?”

Seo Francisco:”Pióh, minha fia. Tinha dia que a gente trabaiava 18 hora sem comê. Quando o capitão não gostava de argo, amarrava nois no tronco e intão batia cô chicoti inté nois dismaiá. Nisso muitos como inté eu mismo, fumo fugido pros quilombo.”

Massao: “Na escola a profesora falou desse tal de quilombo, mas eu não entendi, pensei que fosse “Calombo” e todo mundo riu de mim….”

Seo Francisco: “Num é pra menos. Confundi calombo com quilombo… hihihi….. Quilombo, piqueno, era umas povoação de nego qui ficava iscondida nas mata donde só tinha nego fujão, e calombo é quando vosmicê bate o coco e fica cum baita calombo”.

Antonio: “E o senhor conheceu o Zumbi?”

Seo Francisco: “Num é Du meu tempo não. No quilombo tinha uma vózinha que contava que Ganga Zumba foi o rei do Quilombo dos Palmares em 1675, negociou a paiz com o Governador Pedro de Almeida e foi traído, num sabe….”

Antonio: “Então Ganga Zumba é o Zumbi?”

Seo Francisco: Carma menino. Acho que farto um poquinho. Zumbi já participava em todos combate nos Palmares. Com a morte de Ganga Zumba ele assumiu a chefia do Quilombo e ficou conhecido como “General das Armas”. Foi derrotado somente em 1694 pelo bandeira Domingos Jorge Velho.”

Antonio: “E Zumbí morreu nesse combate?”

Seo Antonio “Não.
Segundo vó dizia, ele escapou. Foi morto em 20/11/95 por forças paulistas comandadas por André Furtado de Mendonça, assim dizia a carta do governador Caetano Melo ao Rei de Portugal.”

Aninha: Então é por isso que em 20 de novembro comemoramos o dia da consciência negra?”

Seo Francisco: “Ta certa a menina. Esta data foi colocada como aniversário da morte de Zumbi pra qui todo mundo se lembre que o nego luto pela iguardade racial. I olha só qui ainda num vivemos uma iguardade plena não. Mais é bao lembrá que existiram pessoas que lutaro por uma sociedade mais justa.”

Hora de cortar o bolo: Dona Maria aparece com o bolo na mão:

Dona Maria: “Hora de cortar o bolo,….”

Crianças festejam…

Cláudia: “Não vai dizer nada antes de cortar o bolo biza?”

Seo Francisco: “Gostaria de agradecê a todos oceis que vieram aqui hoje e lembrar que tudo nois somos possuidores de direitos de lutar pelo reconhecimento di nosso valo na construção do país.”

Antonio: “Abaixo a desigualdade”

Massao: “Fim do racismo”

Aninha: “Que todos sejam iguais não só perante a lei mas sim perante a sociedade.”

Crianças começam a brincar e a cortina fecha.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s